Sustentabilidade no ambiente doméstico: estudo sobre o comportamento do paulistano

Sandra Maria da Silva, Sandra Joyce Silva de Souza, Valmir Santana Santos Junior

Resumo


O consumo excessivo é um desafio ambiental e impacta diretamente a sobrevivência futura do planeta. Em função disso, a sociedade está se voltando para um consumo mais sustentável e um descarte mais consciente. Este artigo busca compreender se o cidadão paulistano tem consciência ambiental e trata o seu lixo doméstico de forma sustentável, bem como entender o conhecimento dos moradores da cidade de São Paulo sobre os conceitos de reciclagem, sustentabilidade e descarte consciente de seu lixo doméstico, verificar seus hábitos de tratamento e possíveis motivações e incentivos para as novas práticas sustentáveis. Foi realizada uma pesquisa descritiva, mediante um questionário enviado pela internet, com 97 respondentes, que demonstrou que os paulistanos estão conscientes da necessidade de ter uma ação mais sustentável, contudo precisam de mais incentivos e informações acerca do tema. A pesquisa demonstra que comodidade e dificuldade na mudança de hábitos individuais e familiares são limitadores para um comportamento ambientalmente responsável. Esta pesquisa pode contribuir para entender as atitudes sustentáveis do paulistano e suas deficiências, para que empresas e o poder público possam direcionar ações de conscientização.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, R. R. Marketing ambiental: sustentabilidade empresarial e mercado verde. Barueri, SP: Manole, 2017.

AKATU. Pesquisa Akatu 2018 traça Panorama do Consumo Consciente no Brasil. São Paulo, 2018. Disponível em: https://www.akatu.org.br/noticia/pesquisa-akatu-2018-traca-panorama-do-consumo-consciente-no-brasil/. Acesso em: 08 out. 2019.

AKATU. Você sabe qual a quantidade de água disponível para consumo na Terra? São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.akatu.org.br/dica/21/. Acesso em: 14.set.2020.

ARGÜELLO, C.C. Centro Pan-Americano de Engenharia Sanitária e Ciências do Ambiente. Guia para o manejo interno de resíduos sólidos em estabelecimentos de saúde – Brasília, DF. Organização Pan-Americana da Saúde, 1997.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CATADORES E CATADORAS DE MATERIAIS RECICLÁVEIS – ANCAT. Anuário da Reciclagem 2017 - 2018. São Paulo. 2019. Disponível em https://ancat.org.br/wp-content/uploads/2019/09/Anua%CC%81rio-da-Reciclagem.pdf. Acesso em 10 set.2020.

BLACK, I. R.; CHERRIER, H. Anti-Consumption as Part of Living a Sustainable Lifestyle: Daily Practices, Contextual Motivations and Subjective Values. Journal of Consumer Behaviour, v. 9, p. 437-453, nov/2010. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/ 10.1002/cb.337. Acesso em: 15 nov. 2019.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Os diferentes matizes da Educação Ambiental no Brasil 1997 – 2007. Brasília: MMA, 2008.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Declaração do rio sobre meio ambiente – Carta da Terra. v. 2, 2012. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/agenda21/_ arquivos/carta_terra.pdf. Acesso em 18/11/2019.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21: Caderno de Debates e Sustentabilidade - Ética e Sustentabilidade. v. 2, 2012. Disponível em: https://mma.gov.br/estruturas/agenda21/_arquivos/CadernodeDebates10.pdf. Acesso em 16/09/2020.

CAMARGO, A. L. B. Desenvolvimento sustentável: dimensões e desafios. Papirus, 2005.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum – Relatório Brundtland. 2ª. Edição. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CONSUMO SUSTENTÁVEL: Manual de educação. Brasília: Consumers International/ MMA/ MEC/ IDEC, 2005. 160 p. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao8.pdf. Acesso em 15 Jun.2020.

DOWBOR, L. Inovação social e sustentabilidade. Economia Global e Gestão, v. 12, n. 2, pp. 9-33, 2007.

E-CYCLE. O que é sustentabilidade: conceitos, definições e exemplos. Disponível em: https://www.ecycle.com.br/3093-sustentabilidade.html. Acesso em: 13 set. 2020.

ELKINGTON, J. Cannibals with forks: the triple bottom line of twenty-first century business. Capstone. pp. 69 – 96, 1997.

ESSOUSSI, L., & LINTON, J. New or recycled products: how much are consumers willing to pay? Journal of Consumer Marketing, 27(5), pp. 458-468, 2010. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/235283628_New_or_recycled_products_How_much_are_consumers_willing_to_pay. Acesso em 15 set. 2020.

FAO BRASIL. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ALIMENTAÇÃO E A AGRICULTURA. A fome volta a crescer no mundo, afirma novo relatório da ONU. 2017. Disponível em: http://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/pt/c/1037611/. Acesso em: 16 mar. 2020.

FEDERAL, Senado. Da conferência das nações unidas para o meio ambiente humano. Estocolmo, à Rio, v. 92, 2017. Disponível em https://www.senado.gov.br/noticias/Jornal/emdiscussao/rio20/a-rio20/conferencia-das-nacoes-unidas-para-o-meio-ambiente-humano-estocolmo-rio-92-agenda-ambiental-paises-elaboracao-documentos-comissao-mundial-sobre-meio-ambiente-e-desenvolvimento.aspx. Acesso em: 14 set. 2020.

FIALHO, L., & MARQUESAN, F. O Comportamento de Consumidores Diante da Prática do Greenwashing. Desenvolvimento Em Questão, 16(45), 400-418, 2018. Disponível em https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/desenvolvimentoemquestao/article/view/6555. Acesso em 15 Set. 2020.

GADOTTI, M. Educar para a sustentabilidade. São Paulo. Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2012.

GUEVARA, A. J. H. G. et al. (Org). Educação para a Era da Sustentabilidade: abrindo caminhos, promovendo valores, por um mundo melhor. 1. ed. São Paulo: Atlas. cap. 13, pp. 169-180, 2011.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. Brasília, DF. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em: 10 mar. 2020.

IMPERATIVES, Strategic. Report of the World Commission on Environment and Development: Our common future. v. 10, 1987. Disponível em https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/5987our-common-future.pdf. Acesso em: 14 set. 2020.

JANSSON, J., MARELL, A., & NORDLUND, A. Green consumer behavior: determinants of curtailment and eco-innovation adoption. Journal of Consumer Marketing, 27(4), 358-370, 2010. Disponível em https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/ 07363761011052396/full/html. Acesso em 18 Mar2020.

JOÃO, B. D. N.; SOUZA, C. L. DE; SERRALVO, F. A. Revisão sistemática de cidades inteligentes e internet das coisas como tópico de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. 4, pp. 1115–1130, 2019. Disponível em http://bibliotecadigital.fgv.br/ ojs/index.php/cadernosebape/article/view/74442/76329. Acesso em 10 set.2020.

JUNQUEIRA, L.A.P.; PADULA, R.S. (Orgs). Gestão de organizações da sociedade civil. São Paulo. Editora Tiki Books: PUC-SP/PIPEq, pp. 219-235, 2019.

KOTLER, P. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano / Philip Kotler, Hermawan Kartajaya, Iwan Setiawan ; [tradução Ana Beatriz Rodrigues]. – Rio de Janeiro : Elsevier, 2012. Recurso Digital.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 12º ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

LAS CASAS, A. L. Administração de Marketing. 2ª ed. São Paulo. Atlas, 2019. 9788597020151. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/ 9788597020151/. Acesso em: 16 Set 2020

LIPOVETSKY, G. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p. 11.

MANZINI, E. O Desenvolvimento de Produtos Sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.

MOTA, J. C.; ALMEIDA, M. M.; ALENCAR, V. C.; CURI, W. F. Características E Impactos Ambientais Causados Pelos Resíduos Sólidos: Uma Visão Conceitual. I Congresso Internacional de Meio Ambiente Subterrâneo. 2009. Disponível em: https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/viewFile/21942/14313. Acesso em 23 nov. 2019

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. A ONU e o meio ambiente. 2019. Disponível em: https://nacoesunidas.org/acao/meio-ambiente/. Acesso em: 15 out. 2019.

NATIONS, United. World Population Prospects: the 2017 revision, Key findings and Advance Tables. Department of Economics and Social Affairs PD, editor. New York: United Nations, 2017. Disponível em: https://population.un.org/wpp/Publications/Files/ WPP2017_KeyFindings.pdf. Acesso em: 14 Set. 2020.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/. Acesso em: 29 nov. 2019.

OTTOBONI, J. Brasil é 10o lugar no ranking do desperdício de alimentos. Agência Envolverde Jornalista – Carta Capital. 2018. Disponível em: https://envolverde.com.br/brasil-e-10o-lugar-no-ranking-do-desperdicio-de-alimentos/. Acesso em: 13 out. 2019.

PANORAMA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL 2018/2019. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (ABRELPE), 2019. Disponível em: https://abrelpe.org.br/panorama/. Acesso em: 15.out.2020.

PEIXOTO, A. F.; PEREIRA, R. C. F. Discurso Versus Ação no comportamento ambientalmente responsável. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - GeAS, São Paulo, v. 2, nº 2, p. 71-103, Jul/Dez. 2013.

PEREIRA, S. S.; MELO, J. A. B. Gestão dos resíduos sólidos urbanos em Campina Grande/PB e seus reflexos socioeconômicos. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 2008.

PINTO, D. C., NIQUE, W. M., AÑAÑA, E. S., & HERTER, M. M. Green consumer values: how do personal values influence environmentally responsible water consumption? International Journal of Consumer Studies, v. 35, n. 2, p. 122-131, 2011. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/229920426_Green_consumer_values_How_do_personal_values_influence_environmentally_responsible_water_consumption. Acesso em 15 set.2020.

PNUMA. Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. ABC do CPS: Esclarecendo os conceitos sobre consumo e produção sustentável. 2012. Disponível em https://www.oneplanetnetwork.org/sites/default/files/10yfp-abc_of_scp-pt.pdf. Acesso em 18.set.2020.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Coleta Domiciliar Seletiva Saiba como funciona o processo de Coleta Domiciliar Seletiva da capital. Disponível em:https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/amlurb/coleta_seletiva/index.php?p=4623. Acesso em: 19 out. 2019.

PWC BRASIL EM PARCERIA COM SELUR. Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana para os municípios brasileiros. 2019. Disponível em: https://selur.org.br/wp-content/uploads/2016/08/SELUR-ISLU-2016-ACESSIBILIZADO.pdf. Acesso em: 19 out. 2019.

QUEM É O CONSUMIDOR CONSCIENTE. Ministério do Meio Ambiente (MMA), 2020. Disponível em: https://www.mma.gov.br/informma/item/7591-o-que-%C3%A9-consumo-consciente. Acesso em: 20.set.2020.

SANTOS, F.A. Ética Empresarial Política de Responsabilidade Social em 5 Dimensões: Sustentabilidade, Respeito À Multicultura, Aprendizado Contínuo, Inovação, Governança Corporativa. São Paulo: Editora Atlas, 2014. 9788522494576. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788522494576/. Acesso em: 16 Sep 2020

STERN, P. Information, incentives, and pro-environmental consumer behavior. Journal of Consumer Policy, v. 22, p. 461-478, 1999. Disponível em https://link.springer.com/content/pdf/10.1023/A:1006211709570.pdf. Acesso em 18 Set.2019.

STERN, P. Toward a coherent theory of environmentally significant behavior. Journal of Social Issues, v. 56(3), p. 407-424, 2000. Disponível em https://psycnet.apa.org/record/2001-14019-003. Acesso em 21 nov. 2019.

VACCARI, L. C. O hiato entre atitude e comportamento ecologicamente conscientes: um estudo com consumidores de diferentes gerações / Lara Coelho Vaccari ; orientador: Marcos Cohen ; co-orientador: Angela Maria Cavalcanti da Rocha. - 2014. Tese (doutorado)–Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Administração, 2014.

VALLE, C. E. Qualidade Ambiental: como ser competitivo protegendo o meio ambiente. São Paulo: Pioneira, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Refas - Revista Fatec Zona Sul

Licença Creative Commons CC BY-NC-ND.