Análise do risco de acidentes no trabalho de uma companhia elétrica paraibana

Brisleny Gomes da Silva, Luiz Carlos Santos Júnior

Resumo


A corrente pesquisa analisa o risco de acidentes no trabalho em uma companhia elétrica paraibana. Trata-se de um estudo de caso quantitativo e aplicado que, a partir dos dados diários referentes a 2855 colaboradores acompanhados entre 2015 e 2018, utiliza-se de: a) técnicas descritivas (de contagem, tendência central e dispersão); b) do estimador não paramétrico de Kaplan-Meier para estimação da função de sobrevivência; c) da Regressão de Cox para estimação dos efeitos de algumas covariáveis sobre o risco de acidentar-se. A falha é definida como a ocorrência de acidente dentro do período de acompanhamento e a censura, neste caso, como a não ocorrência do acidente ao término deste período. Assim, a variável resposta corresponde ao tempo até a ocorrência do acidente de trabalho na companhia observada, sendo relacionada às seguintes covariáveis (informações sobre o colaborador): matrícula, sexo, função, data de admissão, data de acidente (quando cabível), data de nascimento, ocorrência do afastamento, tipo de acidente, origem do acidente e custo decorrente do acidente. Os resultados evidenciam que a maior parte dos acidentados é composta por colaboradores do sexo masculino, que exercem funções externas, que se acidentam no trânsito, necessitam de afastamento e geram custo menor ou igual ao custo médio. Ainda, que a covariável que melhor explica o comportamento do tempo até a ocorrência do acidente é a função do colaborador. Ademais, apresentam-se os efeitos das covariáveis para cada causa de acidente, o que caracteriza o uso dos modelos de riscos competitivos. Sugere-se para estudos futuros a utilização de modelos de longa duração, dadas às evidências de que função de sobrevivência em questão é imprópria.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Ildeberto Muniz de. A Gestão Cognitiva da Atividade e a Análise de Acidentes do Trabalho. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, Belo Horizonte, v. 2, n. 4, p. 275-282, jan. 2004. Trimestral.

BATISTA, Adriana Galdino; SANTANA, Vilma Sousa; FERRITE, Silvia. Registro de dados sobre acidentes de trabalho fatais em sistemas de informação no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 24, n. 3, p. 693-704, mar. 2019. FapUNIFESP (SciELO).

BEYERSMANN, J.; ALLIGNOL, A.; SCHUMACHER, M. Competing Risks and Multistate Models with R. New York: Springer, 2012. 245p.

BRASIL. Notificações de Acidentes do Trabalho fatais, graves e com crianças e adolescentes. 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/06_0442_M.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

ANEEL - AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA. Bem-vindo à ANEEL!. 2019. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/a-aneel. Acesso em: 11 ago. 2019.

CARVALHO, Marilia Sá. Análise de sobrevivência: teoria e aplicações em saúde. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011. 432p.

COLOSIMO, Enrico Antônio; GIOLO, Suely Ruiz. Análise de sobrevivência aplicada. São Paulo: Edgard Blucher, 2006. 176p.

COSTELLA, Marcelo Fabiano. Análise dos acidentes do trabalho e doenças profissionais ocorridos na atividade de construção civil no Rio Grande do Sul em 1996 e 1997. 1999. 169 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Curso de Pós-graduação em Engenharia Civil, Escola de Engenharia, Universidade Federal do Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

ECHTERNACHT, Eliza H. O.; CASTRO, Marcelle La Guardia Lara de. Precariedade e gestão dos riscos de acidentes no trabalho: a terceirização no setor elétrico. Revista Brasileira de Ergonomia, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p.91-98, 09 ago. 2019.

MALVESTIO, Marisa Aparecida Amaro; SOUSA, Regina Marcia Cardoso de. Sobrevivência após acidentes de trânsito: impacto das variáveis clínicas e pré-hospitalares. Rev. Saúde Pública [online]. 2008, vol. 42, n. 4, pp. 639-647. ISSN 0034-8910.

MARTINEZ, Maria Carmen; LATORRE, Maria do Rosário Dias de Oliveira. Fatores associados à capacidade para o trabalho de trabalhadores do Setor Elétrico. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 4, n. 25, p.761-772, abr. 2009. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0102-311X2009000400007&script=sci_abstract#back. Acesso em: 06 set. 2019.

NAPOLITANO, Domingos; FERREIRA, Ricardo Pinto; SASSI, Andréa Martiniano da Silva; Renato José. Modelagem preditiva de riscos de acidentes no trabalho: uma aplicação da regressão de Poisson. Postal Brasil: Revista Técnico-científica dos Correios, Brasil, v. 1, n. 1, p.1-9, jan. 2016. Trimestral.

PONTES, Juliana Araújo Silva. Estimativa do Tempo de Contrato Futuro Para Clientes Residenciais de Energia Elétrica do Rio Grande. 2017. 156 f. Monografia (Graduação) - Curso de Ciências Atuariais, Departamento de Demografia e Ciências Atuariais, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Áustria. 2016. Disponível: https://www.R-project.org/. Acesso em: 01 ago. 2019.

REASON, James. Managing the risks of organizational accidents. London: Routledge, 1997. 272p.

SAURIN, Tarcísio Abreu; RIBEIRO, José Luís Duarte. Segurança no trabalho em um canteiro de obras: percepções dos operários e da gerência. Production, [s.l.], v. 10, n. 1, p.05-17, jun. 2000. FapUNIFESP (SciELO).

THERNEAU, T. A package for survival analysis in S. n. 38, p. 1-5, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Refas - Revista Fatec Zona Sul

Licença Creative Commons CC BY-NC-ND.