A inserção de transexuais no mercado de trabalho

Marcos Barbosa Nascimento Junior, Marina Codo Andrade Teixeira, Neusa Haruka Sezaki Gritti

Resumo


Este trabalho tem a finalidade de estudar a inserção dos transexuais no mercado de trabalho, bem como identificar se há ou não dificuldade no processo. Para melhor aprofundamento do tema, a metodologia utilizada foi a exploratória de caráter qualitativo. Para atingir o objetivo proposto, foi necessário estudar a escolaridade dos transexuais, os principais meios de atuação profissional desses e a preparação das empresas e seus colaboradores para recebê-los e os inserir de acordo com a legislação. Após a revisão de literatura, foi feito um estudo empírico de entrevistas por meio de com a população transexual e empresas para identificar se a prática condiz com a teoria estudada. Os resultados apontam que as empresas estudadas não possuem pleno conhecimento da legislação e de ferramentas para inclusão de transexuais. Os transexuais possuem maior inserção em determinadas áreas e a inserção acontece de forma muito incipiente no Brasil, carecendo de maiores leis afirmativas e popularização do tema.


Texto completo:

PDF

Referências


AIDAR, A.M; SANTOS, F.F; BARROS, J.M. et al. A orientação sexual e identidade na constituição dos movimentos sociais.In: SEMINARIO DE SAUDE DO TRABALHADOR DE FRANCA, 7., 2010, Franca. Proceedings online... Unesp Franca, Available from: . Acesson: 16 dez. 2020.

ANTRA - Associação Nacional de Travestis e Transexuais. Mapa dos assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil em 2017. Brasil: 2018. Disponível em: . Acesso em 13 out. 2018.

ARROYO, M. G. Fracasso/Sucesso: um pesadelo que perturba nossos sonhos. Em Aberto, Vol. 17, Nº. 71. Brasília: 2000. Disponível em: . Acesso em 09 out. 2018.

ATHAYDE, A. V. L. Transexualismo Masculino. Rio de Janeiro: SCIELO - Scientifie Eletronic Library Online, vol.45, no.4, agosto, 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/abem/v45n4/a14v45n4.pdf >. Acesso em 12 out. 2018.

BALZER, C; LAGATA, C; BERREDO, L. TMM annualreport 2016.Berlin: Transrespect versus Transphobia Worldwide, 2016. Disponível em: . Acesso em 27/09/2018. Acesso em: 09 out. 2018.

BARROSO, L. B; CARDOSO, W. R. S. O Não Lugar De Pessoas Trans No Currículo Da Disciplina Educação Física Em Escolas De Belém Do Pará. Belém: IniciaçãoCientífica CESUMAR. jan./jun. 2018, v. 20, n. 1, p. 17-30. Disponível em: < https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/iccesumar/article/download/6500/pdf/>. Acesso em: 12 jun. 2020.

BENTO, L. M; MATÃO, M. E. L. Homossexualidade: Processo De Revelação Da Sexualidade Uma Experiência Homossexual. Goiânia: Estudos, v. 39, n. 4, out./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 08 out. 2018.L

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 15 out. 2018.L

CARVALHO, M. “Travesti”, “mulher transexual”, “homem trans” e “não binário”: interseccionalidades de classe e geração na produção de identidades políticas. Cad. Pagu, Campinas , n. 52, e185211, 2018 . Disponível em: . Acesso em: 29 Oct. 2020.

CONSELHO Nacional de Combate a Discriminação. Brasil Sem Homofobia: Programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e promoção da cidadania homossexual.Brasília: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

DONATO, M. A. M; CORREIA, A. A; LEITE, G. S. Entre a natureza e a cultura: sexo, gênero e a exclusão social de travestis e transexuais.Razón y Palabra, v. 20, n. 4_95, p. 180-194, 23 mar. 2017.

FOUREAUX, R. O Transexual nas Instituições Militares. [S.l.]: Jus Militaris. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2018

FRANÇA, G. V. Direito Médico. 12. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2014.

FLICK, U. Qualidade na pesquisa qualitativa: Coleção Pesquisa Qualitativa.1. ed. São Paulo: Editora Artmed, 2011.

FRANCO, N. A Diversidade Entra Na Escola: Histórias De Professores e Professoras Que Transitam Pelas Fronteiras Das Sexualidades e Do Gênero.Uberlândia, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2018.

FURLANI, J. Educação sexual na sala de aula: Relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. 1. ed. Autêntica Editora, 2011.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

IERVOLINO, S. A; PELICIONI, M. C. F. A Utilização Do Grupo Focal Como Metodologia Qualitativa Na Promoção Da Saúde. São Paulo: Rev.Esc.Enf. USP, v. 35, n. 2, jun, 2001. Disponível em: . Acesso em: 7 out. 2018.

JESUS, J. G. Orientações Sobre Identidade De Gênero: Conceitos e Termos. 2. ed. Brasília [s.n.], dez. 2012. Disponível em: . Acesso em 12 out. 2018.

KENNEDY, N. Crianças transgênero: mais do que um desafio teórico. Revista do programa de pós-graduação em ciências da UFRN. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2020.

MENEZES, J. B; LINS, A. P. C. IDENTIDADE DE GÊNERO E TRANSEXUALIDADE NO DIREITO BRASILEIRO. Revista Brasileira de Direito Civil – RBDCivil | Belo Horizonte, v. 17, p. 17-41, jul./set. 2018.

OLIVEIRA, L. F. Z. C; PORTO, T. C. A Transfobia e a Negação de Direitos Sociais: A Luta de Travestis e Transexuais Pelo Acesso à Educação. Anais do Congresso Latino-Americano de Gênero e Religião. São Leopoldo: EST, v. 4, 2016.

Rede Nossa São Paulo. Metade dos paulistanos é tolerante com o público LGBT, segundo pesquisa sobre diversidade.2018. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2020.

SILVA, S.V.M. Transexualidade e Discriminação no Mercado de Trabalho. Paraíba. In: Anais do III Seminário Nacional de Gênero e Práticas Culturais, 2012.

SILVA R. G. L. B; Bezerra W.C; Queiroz S.B. Os impactos das identidades transgênero na sociabilidade de travestis e mulheres transexuais. Rev Ter OcupUniv São Paulo. 2015 set.-dez.;26(3):364-72.

TOMÁS, M. C; NEVES, J. A. Empregabilidade Formal do Jovem na Região Metropolitana de Belo Horizonte: Contrastes entre Herança Familiar e Escolaridade. Belo Horizonte: [s.n.], 2004. Disponível em: . Acesso em: 17 fev. 2020.

TORRES, M. A. A transformação de professoras transexuais na escola: transfobia e solidariedade em figurações sociais contemporâneas. Revista do programa de pós-graduação em ciências da UFRN.

VASCONCELOS, P. TRANSRESISTÊNCIA: Histórias de pessoas trans no mercado formal de trabalho. São Paulo: Editora Casa Flutuante, 2017.

ZIKMUND, W. G. Business research methods. 5.ed. Fort Worth, TX: Dryden, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Refas - Revista Fatec Zona Sul

Licença Creative Commons CC BY-NC-ND.