Governança Corporativa: Uma análise da adesão à Lei 13.303 pelas empresas estatais listadas na B3

Luis Fernando Gomes Albuquerque, Sergio de Iudicibus

Resumo


A discussão na sociedade sobre o tema transparência é cada vez mais acentuada, tanto no setor público, quanto no privado. As companhias enxergam como uma estratégia de negócio. Baseado nessas informações se buscou dados referentes à adesão à Lei Federal 13.303 que rege sobre o estatuto jurídico das empresas públicas, da sociedade de economia mista e de suas subsidiárias. A pesquisa focou nas empresas públicas listadas na B3, pertencentes aos segmentos ligados a Governança Corporativa, no ano de 2019. O objetivo deste trabalho é apontar a adesão dessas empresas públicas ao artigo 8º que aborda sobre os requisitos mínimos de transparência. Realizou-se uma pesquisa bibliográfica, em que se buscou o conhecimento de autores renomados no assunto. Também foi realizada pesquisa do tipo descritiva, conduzida por meio de análise documental e uma abordagem quantitativa em amostra de 12 empresas. Levantou-se através do sítio eletrônico disponibilizado pelas empresas as informações pertinentes aos incisos do referido artigo. Realizou-se uma análise buscando a adesão aos incisos do artigo, por empresas e por segmento de governança. O resultado obtido entre os segmentos foi homogêneo. Porém, as informações disponibilizadas pelas companhias não são claras e de difícil acesso.


Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, A.; DELIS, M.; KAMMAS, P. (2011). Public sector efficiency: leveling the playing field between OECD countries. Public Choice, 146(1), 163-183.

CARVALHO, A. G. Governança Corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração. v. 37, n. 3, 2002, p. 19-32.

DIAS, T.; CARIO, S. A. F. Governança pública: ensaiando uma concepção: Contabilidade, Gestão e Governança, 17(3), 89-108.

HEADLEY, S.S.; RAITER, J.R.; LIMA, R.J.B.; DALLABONA, S.H. Administração Pública. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional, 2014

IBGC – INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Código das melhores práticas de governança corporativa. 5a ed. São Paulo, 2015.

LYNN, L. E. Jr.; MALINOWSKA, A. (2018). How are patterns of public governance changing in the US and the EU? It’s complicated.Journal of Comparative Policy Analysis: Research and Practice, 20(1), 36-55.

MACHADO JUNIOR, C.; PALMISANO, A.; MAZZALI, L. CAMPANÁRIO, M. A. O conhecimento em Governança Corporativa. Santa Catarina, v. 12, n. 26, p. 99-118, 2015.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da Investigação Científica: para Ciências Sociais Aplicadas. 3a. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MAYER, C. Firm Commitment. Oxford University Press, 2012.

MINTZBERG, H. Criando Organizações Eficazes. 2a. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

PEDERSEN, K. H., & Johannsen, L. (2018). New public governance in the Baltic States: flexible administration and rule bending.Public Performance & Management Review, 41(3), 648-667.

PEÑA, C. R. (2008). Um modelo de avaliação da eficiência da administração pública através do método análise envoltória de dados (DEA). Revista de Administração Contemporânea, 12(1), 83-106.

PLATT NETO, O. A.; CRUZ, F. da; ENSSLIN, S. R.; ENSSLIN, L. Publicidade e transparência das contas públicas: obrigatoriedade e abrangência desses princípios na Administração Pública brasileira. Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte, MG, v. 18, n.1, p. 75-94, jan./mar. 2007. Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/ index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/320/313. Acesso em: 05 set. 2019.

ROSA, M. M. da; BERNARDO, F. D.; VICENTE, E. F. R.; PETRI, S. M. A Lei de Acesso à Informação como instrumento de controle social: diagnóstico dos municípios do Sul do Brasil à luz do artigo 8º da Lei 12527/2011. Navus, Florianópolis, SC, v. 6, n. 1, p. 72-87, jan./mar. 2016. DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2016.v6n1.p72-87.359.

ROSSETTI, J. P.; ANDRADE, A. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 7a. ed. São Paulo: Atlas, 2016.

SILVEIRA, A. D. M. da. Governança Corporativa: no Brasil e no Mundo. 2a. ed. Rio de Janeiro: Elsiever, 2015.

STASTNA, L.; GREGOR, M. (2011). Local government efficiency: evidence from the Czech municipalities (IES Working Paper No. 14/2011). Prague, Czech Republic: Charles University.

TIROLE, J. Corporate Governance. Econometrica, v.69, n. 1, 2001, pp. 1-35.

VALENTE, P. G. Governança Corporativa: guia do conselheiro para empresas familiares ou fechadas. Rio de Janeiro: Alta Books, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.26853/Refas_ISSN-2359-182X_v07n06_02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Refas - Revista Fatec Zona Sul

Licença Creative Commons CC BY-NC-ND.