O Home Office na pandemia de Covid-19: uma perspectiva da eficiência dos profissionais de Tecnologia da Informação

Alexandre Lopes Pontes, Larissa Cerqueira Hirata, Denise Lemes Fernandes Neves

Resumo


No primeiro semestre de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou estado de pandemia para o Covid-19. No Brasil, em março de 2020, regulamentaram-se os critérios de isolamento e quarentena, e as pessoas aderiram ao trabalho remoto, nova modalidade de trabalho conhecida como home office. No segundo semestre de 2020, ainda sem previsão para o fim do isolamento, os funcionários de serviços não essenciais trabalharam respeitando medidas preventivas de contenção ao Covid-19. Nesse cenário, buscou-se identificar as principais vantagens e desvantagens da modalidade de trabalho mencionada, na visão dos profissionais da Tecnologia da Informação, que não a praticavam, isso feito por meio de pesquisa exploratória realizada com 68 profissionais. Como vantagens se detectaram a redução do transporte, a economia com alimentação e o maior convívio familiar. Em termos de desvantagens se verificaram o aumento de horas trabalhadas e o aumento de gastos com energia elétrica e internet. A pesquisa observou ainda boa eficiência do trabalho com o uso de ferramentas de gestão, investimentos básicos de recursos e boa comunicação entre os membros das equipes.


Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO M. C.; TONELLI M. J. Os diferentes contratos de trabalho entre trabalhadores qualificados brasileiros. RAM, REV. ADM. MACKENZIE, 15(3), Edição Especial, São Paulo, SP, Maio-Junho 2014.

BARRETO JR., I. F.; SILVA, J. M. (2015). Teletrabalho e sociedade da informação. Revista De Direitos E Garantias Fundamentais, 16(2), 29-56. Disponível em: https://doi.org/10.18759/rdgf.v16i2.467. Acesso em: 10/09/2020.

BOONEN, M. E. As várias faces do teletrabalho. Belo Horizonte: E & G Economia e Gestão, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/. Acesso em: 10/09/2020.

CAMPOLINA JR., H. Comunicação nas empresas. São Paulo: McGraw-Hill, 2001.

MEDEIROS A. F et al. Impact of lockdown on Covid-19 incidence and mortality in China. Acesso em: DOI: HTTP://DX.DOI.ORG/10.2471/BLT.20.256701.

FILARDI, F.; CASTRO, R. M. P.; ZANINI, M. T. F. Vantagens e desvantagens do teletrabalho na administração pública. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro , v. 18, n. 1, p. 28-46, Jan. 2020. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/1679-395174605. Acesso em: 10/09/2020.

HAUBRICH, D. B.; Froehlich, C. (2020). Benefícios e desafios do home office em empresas de tecnologia da informação. Revista Gestão & Conexões, 9(1), 167-184. https://doi.org/10.13071/regec.2317-5087.2020.9.1.27901.167-184

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Folha informativa Covid-19. Disponível em HTTPS://WWW.PAHO.ORG/PT/COVID19. Acesso em: 10/09/2020.

ROCHA, C. T. M.; AMADOR, F. S. O teletrabalho: conceituação e questões para análise. Cad. Ebape.br, v. 16, nº 1, Rio de Janeiro, jan./mar. 2018.

SERRA, P. O teletrabalho: conceito e implicações. 1996. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/jpserra_teletrabalho.html. Acesso em: 10/09/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Refas - Revista Fatec Zona Sul

Licença Creative Commons CC BY-NC-ND.